A gente lê: Em Parafusos, Ellen Forney desenha sobre o transtorno bipolar

A gente lê: Em Parafusos, Ellen Forney desenha sobre o transtorno bipolar

Parafusos são as memórias em forma de quadrinhos de quando a artista Ellen Forney descobriu que é Bipolar I, pelo que entendi, o tipo do transtorno com variações mais radicais entre os picos de euforia e os picos de depressão. Vejam só:

De início, o diagnóstico até fez com que a quadrinista acreditasse que tinha sido aceita no que ela chama de Clube Van Gogh, essa lista vasta de escritores, poetas e pintores talentosíssimos e perturbados:

Nessa época de descoberta, Ellen estava em uma fase de agitação máxima e achou que qualquer tratamento com remédios podaria a sua genialidade. Só que a alegria foi embora no decorrer dos meses e, quando a depressão começou, a moça percebeu que não seguraria a onda sem uma ajudinha química. Olhem à direita que desenho genial ela fez para definir a depressão.

E é aqui que chego no que identifiquei como conflito principal do livro: Parafusos é a saga de uma pessoa com distúrbio de humor atrás de um tratamento que a estabilize. Não pensem que é fácil. Durante os quatro anos em que levou até chegar à combinação ideal, Ellen documentou cada remédio experimentado (tem uma avaliação interessante sobre a maconha), os efeitos colaterais sentidos (por exemplo, quando uma pessoa toma lítio - sim, aquele da música do Nirvana -, precisa tirar sangue periodicamente para não se intoxicar) e os trechos das consultas na psiquiatra. 

Outro ponto importante do livro é a busca de Ellen para entender a associação já comprovada entre a criatividade e bipolaridade. E aí, nesses trechos da HQ, a gente conhece um pouco da biografia de alguns maníaco depressivos famosos, como Van Gogh, Edward Munch e Sylvia Plath.

Se você tem algum distúrbio de humor, acho que esse livro pode ajudar você a aceitar melhor a doença. Se você não tem, é uma importante ferramenta para você compreender e parar de julgar que depressão é apenas uma questão de mimimi.

Para finalizar, deixo um vídeo com entrevista que a escritora Ellen Forney deu a um canal de TV explicando por que desenhou Parafusos. Mesmo que não entenda a língua, é legal para ver alguns desenhos com maior nitidez e também, claro, a cara da Ellen real.

Sabem como descobri a existência desse livro publicado em  2012? Com o canal Tô Lendo. Foi o vídeo da Cláudia que me instigou a ler o livro e, adivinhem só, peguei emprestado com ela mesma. Se quiserem ver a resenha da Cláu sobre Parafusos, cliquem aqui e não se esqueçam de seguir o canal depois!

E se também quiser ver se algum amigo tem a HQ para emprestar, cadastre-se no Shereland, adicione amigos e espie as estantes deles.

Livros relacionados

Parafusos - Mania Depressão Michelangelo e Eu

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

Nenhum comentário. Seja o primeiro!