Frases de Elena Ferrante em A Amiga Genial e História do Novo Sobrenome

Frases de Elena Ferrante em A Amiga Genial e História do Novo Sobrenome

Já disse aqui tudo o que achei de A Amiga Genial e História do Novo Sobrenome, os dois primeiros volumes da tetralogia napolitana de Elena Ferrante. Agora vou listar algumas citações que separei durante minha leitura. Espero que se empolgue para ler!

Frases de A Amiga Genial

“A vida era assim e ponto final, crescíamos com a obrigação de torná-la difícil aos outros antes que os outros a tornassem difícil para nós.”

“Não só não quis derrotá-lo, mas também calibrou silêncios e respostas de modo a não ser derrotada.”

“Então eu era a segunda em tudo. E torci para que ninguém jamais percebesse.”

"Como somos malformados, pensara, como somos insuficientes.”

“Tinha a impressão de que mesmo absorvendo muito daquele espetáculo, uma enormidade de coisas, inumeráveis, se dissiparia ao redor sem se deixar apreender.”

“não há gestos, palavras, suspiros que não contenham a soma de todos os crimes que os seres humanos cometeram e cometem.”

“ela deixaria sua marca nesse livros, e o professor a teria notado no momento da devolução, ao passo que eu não deixava vestígios, encarnava apenas a perseverança de quem soma desordenadamente volume a volume.”

“Ela era assim, rompia equilíbrios somente para ver de que outro modo poderia recompô-los.”


Frases de História do Novo Sobrenome

“compreendi estar condenada a ser quietamente infeliz porque sou incapaz de reações violentas, porque as temo, prefiro ficar imóvel cultivando o rancor.”

“porque as frases, gritadas assim na garganta, no peito, mas sem expandir no ar, são como estilhaçados de ferro cortante a lhe ferir os pulmões e a faringe.”

“Foi um momento terrível, experimentei o horror e o prazer de me perder, o assombro e o orgulho do descarrilamento.”

“As palavras deles eram brotos que em minha cabeça se tornavam flores mais ou menos conhecidas.”

“Disse que não era preciso esperar uma guerra atômica, no livro era como se ela já tivesse ocorrido.”

“Como o mar num dia sereno. Ou como o pôr do sol. Ou como o céu à noite. É maquiagem passada sobre o horror. Basta retirá-la, e ficamos sozinhos com nosso assombro.”

“Mudei não na aparência, mas em profundidade. A aparência virá logo, e não será só aparência.”

“Será possível que nem os momentos felizes de prazer resistam a um exame rigoroso?”

Livros relacionados

História de Quem Foge e de Quem Fica

Posts relacionados

Como ler um livro difícil, por Lila Cerrullo
Tetralogia Napolitana de Elena Ferrante vai virar série de TV
Último livro da tetralogia de Elena Ferrante chega às livrarias no fim do mês

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

Nenhum comentário. Seja o primeiro!