A gente lê: Os Beats

A gente lê: Os Beats

os-beats.png

E aí que eu li a minha primeira história em quadrinhos da vida- sem contar, é claro, os gibis da Turma da Mônica, Barbie, Senninha e afins! O feito foi  realizado graças ao incentivo do meu querido amigo Daniel, que me emprestou uma obra com um tema irresistível para mim: o movimento beat. 

Os Beats não faz uma análise profunda do grupo e de sua obra. A proposta é muito mais simples e divertida: chamaram algumas duplas de roteiristas e desenhistas do universo HQ politizado americano, e daí elas foram dando uma geral sobre os artistas ou aspectos essenciais para o movimento em histórias curtas e independentes.

Como não poderia deixar de ser, o livro abre com a biografia em quadrinhos (roteiro de Harry Pekar e a arte de Ed Piskor) dos três grandes beats: Jack Keroauc, Allen Ginsberg e William S. Burroughs

beats-dentro.png

Essas páginas estão recheadas com aquele tipo de fofoca que a gente adora saber... Insinua-se, por exemplo, que Ginsberg contribuiu muito mais para Almoço Nu do que o próprio Burroughs. Conta-se ainda que este andou assaltando gente a mão armada na Times Square para comprar drogas! 

Só não gostei muito quando caracterizam meu muso Keroauc como antissemita e homofóbico. Já li algumas coisas dele e sobre ele, e nunca achei que estivesse alguma dessas inclinações. Aliás, discordo até que ele fosse de fato apaixonado por Neal Cassady - não que faça alguma diferença, mas acho mesmo que era pura amizade :p

Enfim, depois dessa boa introdução, a obra traz pequenas historinhas - geralmente de quatro páginas - não só sobre os escritores (tem Gregory Corso, Philip Whalen, Diane DiPrima...), mas também sobre artistas plásticos, bandas e até lugares.

Como a HQ foi feita por muita gente, é muito incrível observar diversos traços e estilos de escrita.

beats-contracapa.png

O ponto alto para mim fica, sem dúvida, para Joyce Brabner (roteiro) e Summer McClinton  (desenho) que criaram a tocante Garotas Beatniks. Aqui, finalmente é tirado o glamour das namoradinhas dos beats. Carolyn Cassady, por exemplo, é personagem importande de On The Road, mas, na vida real, tinha que sustentar a família enquanto o maridão curtia o mundo com Kerouac. Ou Elise Cowan, a menina que datilografou por puro amor O Uivo, mas que, rejeitada pelo homossexual Ginsberg, acabou se atirando de uma janela fechada.

Dani, muito obrigada! :D

Leia mais sobre o movimento beat aqui no Shereland:
Cinco fatos que vão atiçar sua curiosidade sobre William Burroughs 
10 livros (e afins) que vão tirar sua esperança na humanidade 
A gente lê: Anjos da Desolação, de Jack Kerouac 

Livros relacionados

Anjos da Desolação
Os Beats
E Os Hipopótamos Foram Cozidos em Seus Tanques

Posts relacionados

A gente lê: Retalhos
Turismo literário: os points de Kerouac e outros escritores beats em Nova York
4 motivos para ler Vincent, de Barbara Stock (a biografia de Van Gogh em HQ)

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

Nenhum comentário. Seja o primeiro!