Mães, por Carlos Drummond de Andrade

Mães, por Carlos Drummond de Andrade

Minha mãe pediu para que eu colocasse aqui um poema de Carlos Drummond de Andrade. E como hoje é dia dela, obedeci.

Para Sempre
Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
— mistério profundo —
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Este poema está presente em Lição de Coisas, de 1962.

Se você gostou deste post, também pode gostar deste:
Nos 20 anos da morte de Mario Quintana, confira uma "entrevista" especial com o poeta 

Livros relacionados

Fala, Amendoeira

Posts relacionados

Gregorio Duvivier e Matilde Campilho declamam 'Você é a última dos moicanos no pacote'
Frases e citações de Carlos Drummond de Andrade em Fala, Amendoeira

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

1 comentário

Patricia Fernandes de Souza 11 de maio de 2014 às 15:24

É tempo sem hora... <br />Lindo!!!