Frases e citações de Carlos Drummond de Andrade em Fala, Amendoeira

Frases e citações de Carlos Drummond de Andrade em Fala, Amendoeira

Você sabia que Carlos Drummond de Andrade era também um ótimo cronista? Os melhores textos que o mineiro escreveu para o jornal Correio da Manhã de 1954 a 1957 foram reunidos no livro Fala, Amendoeira, sobre o qual opinei um pouquinho aqui.

Como é de praxe, compartilho com vocês minhas frases favoritas:

"as estantes veneráveis não devem ser luzidias."

"de azul-claro e rosa devíamos todos revestir uma fração de nossa vida, já que não é possível pintá-la completamente de cores tão puras."

"o verdadeiro sentido das palavras não está no dicionário; está na vida, no uso que delas fazemos."

"dois corpos podem ocupar o mesmo lugar no espaço, desde que seja num micro-ônibus."

"Não te rebaixes a falar mal do Carnaval que já não te procura."

"Basta o exercício de viver, para nos desprender capciosamente da vida, ou, pelo menos, para entrelaçá-la de tal jeito com a morte, que passamos a sentir essa última como forma daquela"

"Do mal que a nós mesmos nos inflingimos, reduzindo nosso amor ao limite do possível."

Acesse Fala, Amendoeira na Amazon ou cadastre-se no Shereland e inclua o livro na sua wishlist literária.

Livros relacionados

Fala, Amendoeira

Posts relacionados

Conheça a linda história entre Carlos Drummond de Andrade e a filha, Maria Julieta
Monte sua lista de livros para ler em 2015 com o Shereland
Mães, por Carlos Drummond de Andrade
A gente lê + Frases de Vinicius de Moraes em Para Viver Um Grande Anor
A gente lê + Frases de João Ubaldo Ribeiro em A Casa dos Budas Ditosos
Frases de Caio Fernando Abreu em Morangos Mofados

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

Nenhum comentário. Seja o primeiro!