7 filmes sobre literatura disponíveis no Netflix

7 filmes sobre literatura disponíveis no Netflix

Não basta ler bastante. Quem se interessa mesmo pela escrita quer mergulhar em qualquer discussão, história ou até fofoca sobre os autores e seus livros. Por isso, separei sete filmes disponíveis no Netflix cujo tema é S2 literatura S2 (não estou me referindo a adaptações). Boa diversão!

Capote
Direção:Bennett Miller
Ano: 2006

Este filme conta o processo de criação do maravilhoso A Sangue Frio, a obra-prima de Truman Capote (e que acabamos de resenhar neste post).

Na época jornalista, o escritor se ofereceu para cobrir para uma revista um assassinato aterrorizante numa cidadezinha dos Estados Unidos. Porém, os dois criminosos foram encontrados e condenados à forca num processo que durou seis anos. Durante esse tempo todo, Capote fez visitas regulares aos caras na prisão e até pagou advogados para manter suas fontes vivas por mais tempo.


Além de focar nessa relação estreita (e na suposta paixão do escritor por um dos assassinos), o filme mostra um Capote egocêntrico e bem ambicioso.


A atuação de Philip Seymour Hoffman acabou lhe rendendo o Oscar de Melhor Ator.

A História de Adèle H.
Direção : François Truffaut
Ano: 1975

O longa francês conta a história da filha mais nova de Victor Hugo, que atravessou o Oceano Atlântico sozinha em pleno século XIX atrás de um oficial a serviço do exército britânico nos Estados Unidos. É claro que ela fez tudo isso escondida dos pais e é claro que Albert Pinson não dava mais a mínima para ela.


A rejeição potencializou a fragilidade psíquica da moça que, no decorrer da viagem, foi literalmente enlouquecendo. Isso não está no filme de Truffaut, mas vale dizer que há muitos casos de transtornos mentais na família Hugo (há indícios de que o próprio Victor fosse depressivo).


O escritor não aparece como personagem material, mas entender sua dinâmica familiar ajuda a entender um pouco mais a sua escrita.

Beat
Direção: Gary Walkow
Ano: 2000

A descrição do Netflix prometia que a obra falaria sobre o casamento do homossexual William S. Burroughs com Joan Volmer, mas não foi bem isso que eu encontrei.

A trama começa com o tão falado homicídio de Lucien Carr, que, em 1944, matou a golpes de canivete um cara que era apaixonado por ele. 

Depois, o filme dá um salto e mostra o autor de Junky e Joan já casados e com filhos no México. Enquanto ele fazia uma viagem com um rapaz pela Guatemala, ela recebeu a visita de Carr (que havia cumprido a pena) e Ginsberg. Velhos demônios vão ressurgir daí.


O filme é bem bagunçado, não achei confiável com o que eu havia lido sobre a geração até então (onde já se viu um Lucien Carr tão pangaré?), mas vale ver pela Courtney Love, que está linda e louca fazendo o papel de Joan.

Meia Noite em Paris
Direção: Woody Allen
Ano: 2011

A passagem do americano Gil por Paris não está lá essas coisas. Ele e a noiva ficam discutindo sem parar, um antigo pretendente da moça ressurgiu e, para piorar, Gil não consegue avançar no livro que está escrevendo. Só que algo de mágico acontece, e o protagonista descobre uma espécie de portal que o leva diretamente para o iluminado círculo de artistas dos anos 20. A partir daí, Gil conviverá com Gertrude Stein, Ernest Hemingway, F. Scott e Zelda Fitzgerald e outros ícones da "geração perdida" todas as noites.


Para entender mais sobre o contexto dessas viagens no tempo, recomendo ler A Autobiografia de Alice B. Toklas antes de curtir o filme de Woody Allen. 

As Horas
Direção: Stephen Daldry
Ano: 2002

Temos mulheres de épocas e espaços distintos: a escritora da década de 20 Virginia Woolf, a dona de casa desajustada da década de 50 Laura Brown e a independente e contemporânea Clarissa Vaughn. O que une as três? A obra Mrs. Dalloway (que eu já resenhei aqui <3 ).

Por isso, recomendo fortemente que leia este livro tão curtinho e depois tente entender os parelelos com o filme.


Ah, o longa é uma adaptação do livro homônimo de Michael Cunningham.

Minhas Tardes com Margueritte
Direção: Jean Becker
Ano: 2010

Germain (interpretado por Gérard Depardieu) é um homem considerado rude desde criança. Num dia, faz amizade com uma senhorinha e, a partir daí, todas as tardes ela começa a fazer leituras para ele (incluindo A Peste, de Albert Camus), o que, obviamente, vai mudar a vida dos dois.


Acho uma reflexão bem legal sobre o papel da literatura <3

O filme francês foi baseado no livro La Tête en Friche, de Marie-Sabine Roger, que não encontrei traduzido para o português.

Terceira Pessoa
Direção: Paul Haggis
Ano: 2013

Com um elenco estrelado (tem James Franco, Liam Neeson, Adrien Brody e até Kim Basinger ), este lançamento que saiu há pouco do cinema traz histórias simultâneas e que aparentemente não se relacionam para mostrar o processo de criação do escritor. Mais não posso deixar escapar.

A construção da trama lembra bastante de Crash - No Limite, a obra do mesmo diretor que levou o Oscar de Melhor Filme em 2004.

Livros relacionados

Mrs. Dalloway
A Sangue Frio
Junky

Posts relacionados

A gente lê: A Sangue Frio, de Truman Capote + filme Capote + contribuição de Harper Lee
As diferenças entre o Corcunda de Notre Dame de Victor Hugo e o da Disney
A gente lê: Azul É a Cor Mais Quente (e compara a HQ com o filme)
Os sete livros que vão virar filmes em 2016
A Redoma de Vidro, de Sylvia Plath, vai virar um filme dirigido por Kirten Dunst

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

1 comentário

Vilto Reis 25 de abril de 2018 às 13:46

Muitos grandes filmes nessa lista. <br /> Me impressiona a habilidade narrativa do diretor de As Horas. Acho inclusive o filme melhor que o livro, algo um pouco raro de acontecer. Alguns dos filmes da sua lista também havia incluído em minha lista de filmes sobre escritores. Vou deixar o link caso queira dar uma olhada: http://rusga.com.br/filmes-sobre-escritores/