A gente lê: O Outro Pé da Sereia

A gente lê: O Outro Pé da Sereia

o-outro-pe-da-sereia.jpg

Escrito em 2006, O Outro Pé da Sereia é o nono (segundo o Wikipedia) romance lançado pelo escritor moçambicano Mia Couto.

Foi tudo inédito para mim: ler Mia Couto, ler em português de Moçambique (a edição da Companhia das Letras optou por manter a grafia original) e ler ficção africana. E a experiência foi fantástica.

Por isso fica bem difícil pensar por onde partir.

Está bem... Comecemos pelo começo, quando o burriqueiro Zero Madzero encontra uma santa de uma perna só e o adivinho das redondezas lhe aconselha a guardá-la num lugar sagrado. Mas o cara vive numa aldeia erma, então cabe à sua esposa, Mwadia, levar a santa para a igreja do vilarejo onde o casal nasceu e cresceu antes de optar pelo isolamento.

Se até então estava na cara que a história era sobre Zero, é nesse trecho que nos é revelado que Mwadia é a protagonista e que a trama principal será justamente este retorno à casa.

Só que, em paralelo, o enredo volta para o ano de 1560. Acompanhamos um barco que levava missionários portugueses para catequizar os recém-descobertos moçambicanos. Adivinhem só quem era a padroeira desta embarcação? A santa, que, na época, ainda não tinha sido amputada.

E aí Mia vai intercalando capítulos com a história antiga e a contemporânea para mostrar como uma é consequência da outra.

Mas resumir a obra assim como fiz é simplificar demasiadamente. Porque a real é que o livro é sobre tudo: intervenção cultural e raízes, passado e superação (ou não), escravidão física e escravidão mental. Aborda ainda conflitos familiares, machismo, racismo, saudade e, sobretudo, a aceitação do fim. Falando em fim... O final do livro, minha gente!!!!!! Melhor ficar por aqui, e vocês, por favor, leiam!

Meu longo caminho até O Outro Pé da Sereia

A primeira vez que ouvi falar do título foi pelo canal literário Tiny Little Things , com Tati Feltrin dizendo que esse "é um livro triste". Não lembro em qual vídeo ela afirmou isso, mas neste link tem um vídeo-resenha só sobre a obra . 

Depois disso, comecei a ver Mia Couto em todos os lugares: nas prateleiras das livrarias, na Bienal do Livro de Brasília, no blog o batom de Clarice . E aí que justamente quando encomendei o livro pela internet, presenciei um grupo oposto acusando o autor de ser rebuscado, complicado e imitador de Guimarães Rosa.

Se você conhece o escritor, estou louca para saber se você ama ou odeia Mia. Pelo meu post, fica fácil de perceber que eu, apesar de novata, estou no time dele, não é?

Livros relacionados

O Outro Pé da Sereia

Posts relacionados

A gente lê: Terra Sonâmbula, de Mia Couto
Frases e citações de Mia Couto em Terra Sonâmbula
A gente lê: Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie
A gente lê: O Vendedor de Passados de José Eduardo Agualusa

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

Nenhum comentário. Seja o primeiro!