A gente lê: Doze Contos Peregrinos

A gente lê: Doze Contos Peregrinos

No início da década de 70, Gabriel García Márquez decidiu escrever um livro com as histórias de latino-americanos que atravessaram o oceano para, por um motivo ou outro, viver na Europa (situação que ele mesmo enfrentou). Daí, saíram 64 contos que foram revisados, desmontados e até completamente descartados (52 histórias não sobreviveram) por 18 anos. 

Doze Contos Peregrinos foi publicado apenas em 1992. Mas por que tanta dificuldade? No prefácio da obra, Gabo explica qual é a diferença entre escrever um conto e um romance:

"O esforço de escrever um conto curto é tão intenso como o de começar um romance. Pois  no primeiro parágrafo de um romance é preciso definir tudo: estrutura, tom, estilo, longitude e às vezes até o caráter de algum personagem. O resto é o prazer de escrever, o mais íntimo e solitário que se possa imaginar, e se a gente não fica corrigindo o livro pelo resto da vida é por que o mesmo rigor de ferro que faz falta para começá-lo se impõe na hora de terminá-lo. O conto, por sua vez, não tem princípio nem fim: ou anda ou desanda"

Tanto esforço valeu a pena. A obra traz histórias agradabilíssimas, que, embora com um tom de relato jornalístico, não deixam o fantástico de lado.

doze-contos-peregrinos-.gif

A seguir, listo o nome dos doze contos do livro e tento explicar cada um deles em apenas uma frase. Coloquei '*****' nos meus favoritos ;)

Boa viagem, senhor presidente
Em Genebra, m casal humilde de imigrantes estende a mão a um conterrâneo doente que é ninguém menos que o ex-presidente de seu longínquo país.

A santa*****
Um homem viaja para Roma para lutar pela canonização de sua falecida filha, cujo corpo miraculosamente permaneceu intacto pelo tempo e sem peso algum.

O avião da Bela Adormecida
Um homem encontra a mulher de sua vida no aeroporto de Paris.

Me alugo para sonhar*****
Após ver o corpo de um defunto em Cuba, o autor se recorda de uma latina que ganhava a vida em Viena contando seus sonhos proféticos.

"Só vim telefonar"
Depois de sofrer um acidente, uma estrangeira faz de tudo para conseguir telefonar para ao marido. 

Assombrações de agosto
Uma família de turistas decide passar a noite na casa mal-assombrada de um escritor venezuelano.

Maria dos Prazeres
Após pressentir que vai morrer, uma ex-prostituta (provavelmente brasileira) começa a preparar seu túmulo para recebê-la.

Dezessete ingleses envenenados
No fim da vida, uma senhora tem um choque cultural em sua primeira grande viagem.

Trasmontana*****
Em Cadaqués, uma família de turistas enfrenta um fenômeno natural que, segundo os habitantes do município, são ventos que levam consigo "os germes da loucura".

O verão feliz da senhora Forbes
Os pais de duas crianças contratam uma rígida senhora alemã para  educar os filhos durante as férias escolares.

A luz é como água
Duas crianças de Cartagena fazem o que podem para levar o mar a Madrid.

O rastro do teu sangue na neve*****
Logo no início de sua lua de mel, uma moça se fere com o espinho de uma flor e não consegue estancar o sangue.

Quer ler Gabriel García Márquez sem gastar?

Cadastre-se no Shereland e passeie pelas estantes dos seus amigos.

Você ainda não sabe que o Shereland, além de blog, também é uma rede de empréstimos de livros? A gente explica tudo aqui.

Livros relacionados

Cem Anos de Solidão
O Amor nos Tempos do Cólera
Crônica de Uma Morte Anunciada
Do Amor e Outros Demônios
Doze Contos Peregrinos

Posts relacionados

A gente lê: Relato de Um Náufrago
A gente lê: Gabo - Memórias de Uma Vida Mágica (+ curiosidades sobre Cem Anos de Solidão)
A gente lê: Memória de Minhas Putas Tristes + frases de Gabriel García Márquez no livro

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

Nenhum comentário. Seja o primeiro!