Preço único para livros: concorda?

Preço único para livros: concorda?

livros.jpg

Durante essa semana, está rolando a 24ª Convenção da Associação Nacional das Livrarias, e um tema que vem aparecendo com destaque é a lei do preço único para livros. De acordo com ela, quem passaria a determinar os valores dos exemplares seriam as editoras, não cada comércio.

Um dos objetivos da norma seria impedir que mega lojas como a Amazon "comam" pequenas livrarias com suas potentes políticas de descontos. A proposta restringe também as promoções, permitindo apenas descontos de 5% a 10% e por um breve período.

Para a Folha de S. Paulo, o vice-presidente da ANL disse que a lei tornará os livros mais acessíveis para a população, já que incentivaria a abertura de mais livrarias no Brasil. Já eu, que não entendo muito do assunto "mercado" mas compro muitos livros, temo que acabem minhas festas nas promoções absurdas da Submarino e companhia.

E vocês, como veem essa proposta? Me conte nos comentários :)

Leia mais:
Cinco dicas para economizar na hora de comprar livros 

Posts relacionados

Aí sim: McDonald's está oferecendo livros como brindes para as crianças
Mercado literário em 2015: brasileiros compraram mais e por menor preço
Mapa das bibliotecas públicas brasileiras

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

1 comentário

Rafael 21 de agosto de 2014 às 21:49

A princípio, não acho a ideia tão interessante. Muito poder na mão da editora, que poderia "ditar" um preço acima do "justo" (embora eu não saiba o que é esse preço justo). <br />Mas vejo com maus olhos como se fosse um monopólio de preço, ao invés de livre concorrência.