A gente lê: Tia Julia e o Escrevinhador

A gente lê: Tia Julia e o Escrevinhador

tia-julia-escrivinhador.jpg

Já tinha lido um estudo de Mario Vargas Llosa sobre Dom Quixote e um livro político de seu irmão, Álvaro, mas foi no começo deste ano que me prometi que partiria para a ficção do peruano. Que pena ter demorado tanto! Tia Julia e o Escrevinhador é uma delícia de obra.

Llosa demorou anos para escrever estas que parecem ser as memórias sobre o comecinho de sua vida como escritor.

Ele tinha 18 anos, trabalhava como jornalista em uma rádio e seu chefe decidiu "importar" um autor de radionovelas da Bolívia. Ao mesmo tempo em que observa de perto - com uma crescente dose de admiração - o trabalho de Pedro Camacho, outra novidade vinda do país vizinho vai tirar o sono de Llosa. Pois é, Tia Julia, uma "senhora" de mais de 30 anos recém-divorciada.

Esse enredo já seria suficientemente interessante, mas tem mais. Cada capítulo é intercalado com um episódio de uma radionovela escrita como se fosse por Pedro Camacho. E aí tem de tudo: incesto, automutilação, amor não correspondido... Genial, não é?

Apenas leiam! E aproveitem, pois os sites da Saraiva e da Americanas estão oferecendo a versão de bolso por menos de R$ 8,51.

Livros relacionados

Tia Julia e o Escrevinhador

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

Nenhum comentário. Seja o primeiro!