Por que a tetralogia de Elena Ferrante é irresistível?

Por que a tetralogia de Elena Ferrante é irresistível?

A Tetralogia Napolitana, da "escritora italiana" Elena Ferrante, é uma coleção formada pelos livros A Amiga Genial, História do Novo Sobrenome, História de Quem Foge e Quem Fica e História da Menina Perdida (este último ainda não foi lançado no Brasil). Baixei o primeiro volume por insistência da minha amiga Cláu (do canal Tô Lendo) e, desde então, não trabalho, não raciocino, mal respiro: só quero saber dessa trama.

Exageros à parte, fiz um post para tentar entender por que essa série é tão fenomenal:

1. Porque vicia

O prólogo de A Amiga Genial já é uma provocação. Lenu descobre que sua melhor amiga desapareceu, o que não a surpreende, afinal Lila sempre dizia que sumiria sem deixar rastros. Restando pouco a se fazer, Lenu encontra uma forma de expressar toda a sua contrariedade: recontar a história de Lila, deixar seus rastros gravados para sempre. A partir daí, o leitor é jogado para a infância das duas moradoras de um bairro pobre de Nápoles. Confesso que li os primeiros 20% do meu e-book gostando, mas em uma velocidade normal. Só que passou disso e aí eu não conseguia mais me desprender daquelas memórias nada inocentes de gente que tinha que endurecer para sobreviver numa realidade sangrenta, rodeada por mafiosos, analfabetos e muita violência doméstica.

O livro vai que vai e termina de uma forma tão misteriosa, que me forçou a fechá-lo e correr para baixar a continuação.

2. Porque a personagem principal só se ferra

Depois de A Amiga Genial, trucidei História do Novo Sobrenome, que conta o início da vida adulta das jovens. Apesar da miséria, uma boa professora conseguiu convencer os pais de Lenu de que ela precisava continuar estudando. Por isso, sua vida começa a se destoar da dos vizinhos, inclusive da de Lila, que sempre foi a mais talentosa da dupla. O fantasma dessa amiga muito mais genial, esperta e bonita assombra Lenu, que fica com a impressão de que tudo o que lhe resta é o segundo lugar. E, no fundo, acho que essa é a chave do livro. Com quem você se identifica mais: com as personagens perfeitas ou com aquelas de verdade, que se esforçam o máximo e não chegam lá? Bom, eu sou mais as do segundo tipo, por isso, virei eterna torcedora do time Lenu.

3. Porque estimula paixões

Só sei que, num determinado momento do segundo volume, a rixa Lenu x Lila me pegou tão forte, que eu comecei a sentir um ódio físico. Não estou falando que é superlegal ficar passando raiva à toa, mas acho demais quando uma história fictícia te envolve até a esse ponto. 

4. Porque você vai achar que conhece as personagens

Eu estou falando de Lila e Lenu, mas aquele monte de vizinho que circunda as garotas também é essencial. É tanta gente secundária, mas atuante, que os dois volumes que li começam com um mapa de personagens que, a princípio, parece intransponível, mas depois a gente se acostuma. E como... Se você já leu, te pergunto: como não amar a louca Melina e o esforçado Antonio? Agarrei uma afeição até nos mais ruins.

5. Porque cada hora você acha que o livro fala de uma coisa

 Acho que justamente essa diversidade de personagens permite uma variação muito grande de assuntos e de reviravoltas. Se eu tivesse escrito esse post enquanto estava lendo A Amiga Genial, teria dito que o principal assunto era a influência que as pessoas à nossa volta exercem na nossa vida. Já no final do primeiro volume, comecei a achar que o conflito social era o xis da questão. Já com a o segundo livro ora achava que ele falava sobre repressão da mulher, ora pensava que era uma história de amor. Ou seja, com tédio é que eu não fiquei.

6. Porque é legal morrer de ansiedade enquanto se espera o próximo volume ser lançado

Pois bem, História do Novo Sobrenome também tem um final catártico, só que o próximo livro da série chegou apenas na semana passada às livrarias. Pior pra mim, pois estou lendo em e-book e este ainda não está disponível (a editora Biblioteca Azul prometeu pra esta semana). Já a conclusão, História da Menina Perdida, tem previsão de lançamento para o primeiro semestre do próximo ano! Sério, me sinto novamente na época em que lia Harry Potter e tinha que esperar anos para poder ler uma continuação.

7. Porque o povo diz que é bom

Se você ainda não ouviu falar da tetralogia napolitana, se prepara. No Brasil, a popularidade ainda é tímida. Apesar de História do Novo Sobrenome ter vendido 40 mil exemplares por aqui, nenhum título da coleção está no ranking dos vinte mais vendidos do país (olhei no site PublishNews). Já na gringa o fenômeno é maior: foram dois milhões de cópias compradas.

8. Porque a crítica diz que é bom

Best-sellers não costumam agradar à crítica, certo? Não é o caso de Elena Ferrante. Em maio deste ano, o quarto livro da coleção foi finalista do Man Booker Prize, um dos mais importantes prêmio literários. No final, quem levou foi a sul-coreana Hang Kang (com A Vegetariana), mas é uma indicação que cai bem para os leitores mais exigentes.

9. Porque ninguém sabe quem é Elena Ferrante

Elena Ferrante é o pseudônimo de uma escritora ou escritor misterioso que já escreve desde o começo dos anos 1990. Ela/ele até dá entrevista, mas sempre por e-mail e justificando que, depois de concluída, a obra não tem mais nenhuma necessidade de seu autor. Tudo funcionou até o início de outubro, quando um jornalista fez uma investigação insana com as movimentação financeiras da editora italiana da tetralogia e descobriu que quem recebe os direitos autorais pelo livro é a tradutora Anita Raja. Uma curiosidade: apesar de ser made in Italy, essa mulher jamais viveu em um bairro pobre napolitano.

Livros relacionados

A Amiga Genial
História do Novo Sobrenome
História de Quem Foge e de Quem Fica

Posts relacionados

Como ler um livro difícil, por Lila Cerrullo
Tetralogia Napolitana de Elena Ferrante vai virar série de TV
Último livro da tetralogia de Elena Ferrante chega às livrarias no fim do mês

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

3 comentários

Marlucia 22 de janeiro de 2017 às 18:50

Fui presenteada pelo meu filho com o livro A Amiga Genial. A leitura me absorveu de uma tal maneira que só parava p me alimentar. Devorei rapidinho. Finalizado, no ápice da trama, que tristeza! descubro que o mesmo é uma tetralogia. Imediatamente, entro no Amazon e compro os outros 3. Recebidos, me entrego vorazmente à leitura. Concluído o 3o livro, corro para o último , descubri que comprei errado. Pior foi saber que o IV volume ainda ia se lançado.

Jane 24 de janeiro de 2017 às 01:13

De fato são livros envolventes. Uma trama que deixo-me com uma vontade de continuar a leitura, sem intervalo. Estou no terceiro volume e incomodada por não saber quando chegará o último volume da série Napolitana. Paciência, aguardemos.

Gabi 4 de março de 2017 às 17:41

Vc descreveu exatamente o que eu sinto! <br />Vc tem que continuar lendo pq vem um misto de emoções, você quer sempre saber o que vai acontecer, qual reviravolta. Lila é amiga ou não? Lenu vai reagir? E como não se reconhecer no caminho do autoconhecimento? Tenho crises de ansiedade!!! Tetralogia maravilhosa!