A gente lê + Frases de Tolstói em Anna Kariênina

A gente lê + Frases de Tolstói em Anna Kariênina

Escrito entre 1873 e 1877 por Liev Tolstói, Anna Kariênina é um dos maiores clássicos da literatura - e não só por causa de suas mais de 800 páginas. É bem possível que, embora nunca tenha lido a obra, você saiba que o livro aborda o adultério-escândalo cometido por uma mulher da alta sociedade russa. Sim, o livro é sobre isso mesmo... mas é também muito, muito mais.

A narrativa começa com o galã-ostentação Stiepan Arcadievitch atravessando uma crise matrimonial desde que sua esposa, Dária, descobriu que ele tem um affair com outra. Stiepan não quer o divórcio, mas, ao mesmo tempo, justifica a traição dizendo que a parceira perdeu os atrativos depois de tantos filhos. Dado o impasse, quem é convocada para acalmar os ânimos do casal? A irmã do galinhão, Anna Kariênina.

A ricaça consegue salvar a pele do irmão, mas, dias depois de sua conversa com Dária, ela conhece o militar Vronski. E daí surge uma paixão nervosa, que é também a perdição da personagem que dá o título da obra. Casada com um homem mais velho muito respeitado, Anna é banida pela sociedade e perde até mesmo o direito de ver o filho.

O que mais me chamou atenção na história é que, enquanto Stiepan consegue manter a vida dupla e o respeito, a infidelidade de Anna custa praticamente tudo o que ela tinha. Ambos os irmãos viviam um casamento frustrado, mas só para ele a saída era possível. Pesado, não?

O enredo ainda trás o núcleo encabeçado por Liêvin, um camponês cheio de romantismo e idealismo. Considerado por muitos o alter ego de Tolstói, é esse personagem que vai dar voz a muitas questões do autor sobre religiosidade, política e as instáveis relações entre servos e patrões que alvoroçavam a Rússia naquela época (e que, mais tarde, culminariam na Revolução). 

Como de costume, marquei algumas frases e citações que me chamaram atenção durante a leitura.

"Todas as famílias felizes se parecem, cada família infeliz é infeliz à sua maneira."

"Parecia, a cada um, que a vida que ele mesmo levava era a vida autêntica e a vida do amigo não passava de uma miragem."

"E de repente os dois se deram conta de que, embora fossem amigos, embora tivessem comido e bebido juntos, o que deveria aproximá-los ainda mais, cada um pensava apenas em si e nata tinha a ver com o outro."

"Se nossos maridos não falassem, veríamos as coisas como são."

"se há tantas cabeças quantas são as maneiras de pensar, há de haver tantos tipos de amor quantos são os corações."

"São todos gente, também, são homens e pecadores, como nós: para que se irritar e brigas?"

"todo esse mundo não passa de um pequeno bolor que cresceu na crosta do planeta."

"o que se esquece, acaba."

"Muitas famílias permanecem durante anos nas antigas condições, odiosas para ambos os cônjuges, só porque não há plena discórdia nem plena harmonia."

"a luta pela existência e o ódio são as únicas coisas que unem as pessoas"

"Nós todos, como criaturas razoáveis, não podemos viver de outra maneira, senão para a pança."

"Se o bem tiver uma causa, já não é o bem; se tiver uma consequência, uma recompensa, também já não é o bem. Portanto, o bem está fora da cadeia de causa e consequência."

Livros relacionados

Anna Karenina

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

Nenhum comentário. Seja o primeiro!