A gente lê: Eleanor e Park (e acaba de descobrir que livro vai virar filme)

A gente lê: Eleanor e Park (e acaba de descobrir que livro vai virar filme)

eleanor.png

Sabe quando um livro fica se oferecendo para você o tempo todo? Pois foi por isso que decidi aderir a Eleanor e Park, de Rainbow Rowell.

Eu não sabia que a obra ganhara o prêmio de "Melhor Jovem Adulto de 2013" do site Goodreads. Mas, simplesmente, comecei a receber várias indicações para lê-lo na mesma semana - vindas de formas bem diferentes.

Comprei a versão em e-book, bem mais barata, mas gostaria muito de tê-lo em papel só para poder sair emprestando. Tem muita gente que eu queria que lesse.

O enredo é básico: aparece uma menina bem esquisita e desconhecida no ônibus escolar. De cara, ela é rejeitada. Então o garoto bonzinho da turma permite que ela se sente ao seu lado só por pena. No entanto, os dias passam, e o moço percebe que sua 'parceira de assento' fica lendo seus gibis com o rabo de olho. E daí ele passa a se preocupar em virar as páginas mais devagar só para se certificar de que a novata está acompanhando tudo S2S2S2S2

Parece besta, mas juro que é a coisa mais fofa dos últimos tempos. 

Obviamente que as produtoras de cinema já entenderam o potencial da história. Ontem (3/4), foi anunciado que a DreamWorks Studios comprou os direitos do livro e vai transformá-lo num filme, que começa a ser rodado só em 2015. Já me empolguei por saber que a autora Rainbow Rowell vai ajudar no roteiro.

Bom, paro logo por aqui, porque ainda não terminei e, só de dar um Google para conseguir informações para este post, li um spoiler que não queria ter visto :/

Livros relacionados

Eleanor e Park
Ligações

Posts relacionados

Revelado cartaz do filme Cidades de Papel (mais uma adaptação dos livros de John Green)
Resenha negativa e com spoilers de Quem é Você, Alasca?, do John Green

Siga o Shereland

Comentários

Deixe um comentário

http://

2 comentários

Miriam 5 de junho de 2016 às 00:19

O livro é bom até você descobrir que a autora não resolveu dar um final, deixou as coisas sem explicação. E foi muita coisa. <br />

Gabriela 8 de junho de 2016 às 20:09

Eu gostei daquele final, Miriam!