Motivos para gostar e não gostar de Trono de Vidro, de Sarah J. Maas

Motivos para gostar e não gostar de Trono de Vidro, de Sarah J. Maas

por Juliana*

Trono de Vidro é o primeiro livro de uma série da escritora Sarah J. Maas. A história gira em torno de uma garota de 17 anos chamada Celaena Sardothien que é a maior assassina de todos os tempos. Com um passado triste cheio de spoiler, ela acabou capturada e forçada a trabalho escravo nas Minas de Sal de Endovier. 

Não é mole não: o livro já começa com a garota sendo escoltada até o rei sem saber o que vai acontecer com ela! Como está escrito no resumo do livro, eu posso contar aqui: Celaena foi convocada para ser a campeã do príncipe e deve vencer um torneio contra outros bandidos e assassinos para se tornar a assassina do rei.

Se você já gostou do resumo, compre e leia o livro. Abaixo, vou citar alguns prós e contras para te ajudar a se decidir. Lembrando, é claro, que é tudo baseado no meu gosto pessoal.

MOTIVOS PARA GOSTAR:

1. A personagem principal do livro é valente, cheia de energia e desbocada, fugindo de heroínas comuns ou magicamente perfeitas. Ela tem defeitos que a deixam mais humanizada e apesar de ser uma assassina, tem o coração de uma menina de 17 anos. 

2. Ao mesmo tempo que, se em demasia, é um ponto negativo, o romance é inicialmente agradável e você com certeza vai querer escolher um lado para shippar. 

3. O livro não tem lenga-lenga não, mesmo os momentos descontraídos são dinâmicos e dificilmente a história fica emperrada em algo pouco interessante. A autora faz passar o tempo e corta até alguns treinos.

4. Você consegue traçar uma linha de atitudes entre os personagens e eles conseguem ganhar vida e sua atenção.

5. O ambiente construído na história é ótimo e você logo se sente inserido no mundo.

MOTIVOS PARA NÃO GOSTAR:

1. Algumas vezes, parece estranho que a maior assasina do mundo só se preocupe em dar uns beijos em um certo personagem (nem é spoiler, fica óbvio), então por alguns instantes você se pergunta se está lendo um livro que se passa em um colégio. É claro que a proposta do livro é essa, mas em alguns momentos os personagens parecem que esquecem onde estão.

2. Celaena pode ser meio chatinha porque é sempre "a melhor", "a mais linda", "a mais habilidosa". Ainda que não caia completamente no estereótipo de "Mary Sue", você precisa gostar o suficiente da personagem para perdoá-la nesses aspectos de tanta perfeição.

3. É um mundo próprio, mas algumas coisas parecem fora do lugar demais, por exemplo, quando um saco de doces é entregue para a personagem, sua paixão por livros e MÚSICA (apesar de ser defensável, pode irritar alguns leitores)... Também é esquisito como em um mundo medieval sofrido os personagens ainda assim teimem em agir como crianças às vezes. 

4. Ok. O livro é para ser sobre personagens adolescentes apesar do mundo em que vivem. Mas, às vezes, é inconcebível que um membro da guarda tenha medo de usar a espada e ferir pessoas... 

5. É um pouquiiiiinho previsível. A autora deixa pistas DEMAIS para os leitores atentos. Mas ainda assim ela consegue surpreender no desenvolvimento de algumas cenas.

Se conseguir ignorar e entender essas partes, vá em frente! 

Recomendo, mas não para todos os públicos. 

É um bom livro de fantasia, ação e romance, que diverte e balanceia seus momentos. Quem curte Young Adult em geral vai adorar e viúvos de Crepúsculo com certeza vão pirar no trio principal. Quem busca um pouco de aventura em um ambiente com magia, castelos, intrigas e personagens como você também vai se identificar. 

Apesar das críticas que fiz, eu gostei e fiquei curiosa o bastante para continuar. Vamos para o próximo livro da trama!

*Juliana é jornalista e colaboradora supervoluntária do Shere

Posts relacionados

20 frases do livro Memórias de uma Gueixa
10 razões para ler Divergente (e por que a trilogia não é uma cópia de Jogos Vorazes)
Resenha negativa e com spoilers de Quem é Você, Alasca?, do John Green

Acompanhe o Shereland

Deixe um comentário:

http://

4 Comentários

Iânny 5 de Março de 2020 às 00:10

Sou apaixonada por tog, e de fato é meio (muito) irritante quando o Chaol fica naquele drama sobre derramar sangue, graças que isso ñ dura muito

Samilla 6 de Abril de 2020 às 12:44

FINALMENTE achei algum lugar alguém que também enxergou esses pontos negativos que eu vi!!! Aliás acho que não vou conseguir continuar! Desde o início o livro promete ser duro e insistir de maneira cansativa que ela é assassina, mas no primeiro dia no castelo, o CAPITÃO da guarda já ta fazendo um tour e respondendo várias perguntas que poderiam ser úteis pra uma inimiga, até então. Ainda tem que várias vezes surpreendem ela no quarto, a vez do piano eu até perdoo, mas ainda assim com as portas fazendo barulho a tal melhor assassina não consegue ouvir um príncipe destreinado entrar no quarto das outras vezes???

Thay 14 de Abril de 2020 às 19:54

Eu achei que a descrição do espaço foi precária, teve lugares que não consegui imaginar direito. Achei a leitura mto fácil, tão fácil que chega ser previsível... Então, se você gosta de complexidade, coisas fantásticas e batalhas épicas super bem detalhadas (nível George R. R. Martin e Tolkien), você vai se decepcionar fácil. É um livro bem teen, acho que romantizaram mto uma assassina.

Gabriela 29 de Abril de 2020 às 23:07

Cara muuuuito obrigada, eu tava em dúvida se começava ou não e você me convenceu a dar uma chance! Adorei a review